Cloud ou co-location: o que é melhor para a minha empresa?

Cloud ou co-location: o que é melhor para a minha empresa?

O modelo de terceirização da infraestrutura de TI é uma escolha estratégica, que vai além da mera análise de custo do projeto.

Como fornecedores de computação em nuvem, somos questionados com frequência sobre o que é mais vantajoso: cloud e co-location. A nossa resposta nesses casos é sempre: depende! Nós sabemos que, para a maioria das empresas, a infraestrutura cloud é o caminho mais indicado. Ainda assim, há situações específicas em que a migração dos equipamentos físicos para um data center pode ser a melhor opção.

Modernizando o data center

A aceleração dos esforços de transformação digital, observada desde o início da pandemia, levou as empresas a buscar formas de modernizar o data center para alcançar mais benefícios e ter eficiência de custos com a TI.

Mais que nunca, as organizações entenderam a necessidade de se adaptar para continuar se movendo e competindo. E aí surge a dúvida: qual o melhor caminho a seguir? Migrar para nuvens como AWS, Azure ou Google Cloud; ou mover os equipamentos para um fornecedor de co-location como Equinix ou Ascenty.

A nuvem costuma ser retratada na imprensa como a resposta para tudo. Apesar dos profissionais de tecnologia já terem aprendido a não dar muita atenção às reportagens sensacionalistas, existe a pressão interna para otimizar custos, aumentar a eficiência do trabalho e entregar projetos em menos tempo.

Como já falamos, não existe uma única solução que atenda a todos os casos. É preciso haver um equilíbrio entre o que a alta gestão deseja e o que a TI pode entregar, com foco no que é melhor para o negócio.

Via de regra, as nuvens públicas, nuvens privadas ou nuvens híbridas, são a melhor escolha para empresas que:

  • possuem um parque de equipamentos defasado;
  • querem ampliar rapidamente a capacidade computacional;
  • precisam melhorar a escalabilidade e disponibilidade das aplicações;
  • preferem pagar a infraestrutura pelo uso, ao invés de investir antecipadamente em hardware; 
  • desejam trocar o modelo de licenciamento de programas para software-como-serviço (SaaS);
  • buscam maior agilidade no provisionamento de servidores e aplicações.

Por outro lado, o co-location é mais atraente quando a empresa possui equipamentos novos, aplicações estáveis e demandas tecnológicas que não vão mudar a longo prazo. Se for por este caminho, é importante que a TI mantenha spare-parts de hardware e monitore a infraestrutura em regime 24×7 para acionar o serviço de mãos remotas (smart hands) do data center quando uma manutenção for necessária.

Ambas as escolhas são viáveis. Portanto, tudo se resume à empresa entender o seu momento e encontrar o modelo que a atende melhor.

Crie um plano de gerenciamento da mudança

Após definir o modelo, nós recomendamos que a empresa crie um programa abrangente de gerenciamento da mudança (GMUD) para evitar o risco da migração fracassar.

Se a opção foi por cloud, serão dimensionados e implantados servidores virtuais e bancos de dados. Esse é um dos pontos em que a computação em nuvem brilha, já que o provisionamento desses recursos é praticamente instantâneo.

Já no co-location, o processo é mais demorado e envolverá a preparação de racks no data center, o transporte de servidores e switches de rede (ou compra de novos equipamentos para evitar impactos na produção).

Em ambos os casos, deve-se prestar atenção à segurança da informação, ou seja, definir e configurar regras de segurança, firewall e VPN, entre outros. 
O passo seguinte é a migração das aplicações. Caso a opção tenha sido pela computação em nuvem, há 3 principais estratégias disponíveis:

  • lift and shift: também conhecido como rehosting, consiste em mover aplicações que rodam no data center interno diretamente para o novo ambiente, sem alterações. Apesar de ser o modo mais rápido e cômodo de migração, o lift and shift tem a desvantagem de não tirar total proveito das tecnologias oferecidas pelo provedor de cloud.
  • refactoring: é o processo de adaptação das aplicações para maximizar os benefícios da computação em nuvem, como: auto-scaling, load-balancing, serverless e assim por diante. Apesar de representar um esforço maior, o refactoring resulta em um maior retorno sobre o investimento (ROI).
  • replatform: significa transportar parte das funcionalidades da aplicação para plataformas prontas, como bancos de dados escaláveis, sistemas de messageria e contêineres. Torna a aplicação muito mais enxuta, automatizada e escalável, porém é a transformação mais radical e, portanto, mais arriscada.  

Não fique para trás

Independentemente de optar por cloud ou co-location, uma coisa é certa: você não chegará aonde quer se ficar parado!

Sabemos que alterar elementos cruciais do seu negócio é assustador e mudar a infraestrutura de TI pode se enquadrar nessa categoria. No entanto, um medo muito maior deve ser o risco de ficar para trás à medida que a concorrência acelera na transformação digital.

A CentralServer ajuda as empresas a encontrar a solução de cloud que melhor lhes convém. Fazemos isso, fornecendo infraestrutura e operações na AWS, Azure e VMware Cloud para apoiar o crescimento do negócio.

Nossos serviços fazem com que as barreiras de adoção de novas tecnologias sejam menores e, em consequência, os seus objetivos de negócios sejam alcançados mais facilmente.

Fale sobre o seu projeto com um dos nossos Especialistas.

(Visualizado 1 vezes, 1 vezes visualizado hoje)